Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

VENDAS DE IMÓVEIS DE UM DORMITÓRIO CRESCEM 133%

E-mail Imprimir PDF
SUMMIT IMOBILIÁRIO BRASIL 2015
ANNA CAROLINA PAPP - O ESTADO DE S. PAULO
17 Abril 2015 
 
Segmento foi o único que aumentou em 12 meses; preços acessíveis e praticidade puxam demanda por compactos
 
Pela ascensão de um perfil de comprador mais jovem, que busca produtos funcionais e que caibam no bolso, o mercado observado o crescimento das vendas de imóveis de um dormitório. Na região metropolitana de São Paulo, o segmento cresceu 133% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, e sua participação saltou de 6% para 21% do total de unidades vendidas. Os imóveis com dois dormitórios permanecem como segmento predominante, porém suas vendas caíram quase 50% no mesmo período.
“Em 2013, quando o mercado começou a ficar mais difícil, começou o crescimento dos compactos: de 20, 30 e40 metros quadrados”, diz Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP. “É um conceito de comodidade: mais de serviço e menos de área. Esse produto caiu no bolso da juventude.”
Os números reforçam essa tendência. De 2004 a 2014, segundo dados do Secovi-SP, a oferta de apartamentos de 1 dormitório saltou de 12% para 34% das unidades lançadas. Já entre os negócios fechados, a participação dos imóveis de 1 dormitório nos últimos dez anos foi de 11% para 28% das vendas.
“O contraponto é o imóvel de 4 dormitórios, que representou 30% das vendas em 2007, mas teve apenas 5% em 2014”, diz Petrucci.
Especialização. De olho nesse nicho, algumas empresas têm focado nesse tipo de produto. A You, Inc., por exemplo, só comercializa imóveis compactos, de 28 a 80 metros quadrados.
“O nosso segmento é bastante reduzido e concentrado, pois existe uma demanda reprimida de muitos anos para esse perfil”, diz Eduardo Muszkat, diretor executivo da empresa. “Ele está ganhando espaço em relação aos outros segmentos, pois é acessível e cabe no bolso do meu cliente.”
Por causa dessa demanda, ele afirma que a atualmente a empresa tem menos de 50 apartamentos em estoque, e prevê lançar mais oito projetos até o final do ano - o que representaria um aumento de 60% a 80% em relação aos lançamentos do ano anterior. “No sábado passado, fizemos um lançamento na região próxima à linha lilás da CPTM e ao aeroporto de Congonhas, e vendemos 23% em um final de semana”, diz Muszkat. “Há muitas oportunidades nos eixos de expansão do sistema de transporte, em áreas que estão para receber novas estações de metrô e irão se valorizar rapidamente.”