Federação Nacional dos Corretores de Imóveis

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

INFLAÇÃO DO ALUGUEL DESACELERA PARA 0,51% NA PRIMEIRA PRÉVIA DE MAIO

E-mail Imprimir PDF
VALOR ECONÔMICO -  online - 11/05/2015
 
SÃO PAULO - o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), base para correção de contratos de aluguel, desacelerou para 0,51% na primeira prévia de maio, de 1,03% no mesmo período em abril, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV) nesta segunda-feira. 
A queda nos preços agropecuários no atacado e a desaceleração da inflação no varejo - com o fim do efeito da alta da conta de luz - contribuíram para reduzir o indicador. 
No atacado, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA) - que tem peso de 60% no IGP-M - desacelerou de 1,28% para 0,56%, graças ao IPA de produtos agropecuários, que saiu de uma alta de 1,26% para uma queda de 1,52% no período, puxado pelo recuo de preços da soja em grão e farelo, milho e ovos. Já o IPA de produtos industriais subiu de 1,28% para 1,37%, com destaque para o minério de ferro (1,93% para 3,67%). 
No varejo, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) - com peso de 30% no indicador - saiu de alta de 0,53% na primeira prévia de abril para 0,47% na primeira de maio, com três de suas oito classes de despesa registrando taxas menores. A maior contribuição partiu do grupo habitação (queda de de 1,39% para 0,43%), em que a alta da 
conta de luz cedeu de 6,46% para 0,79%. 
Alimentação (0,32% para 0,10%) e despesas diversas (0,44% para 0,42%) também subiram menos por causa das frutas (que foi de uma alta de 1,78% para uma queda de 5,10% no período) edo serviço religioso e funerário (alta de 1,29% para avanço de 0,83%), respectivamente. 
Em contra partida, vestuário (queda de 0,65% para alta de 1,31%), educação, leitura e recreação (queda de 0,46% para avanço de 0,33%), saúde e cuidados pessoais (alta de 1,07% para 1,62%), transportes (aumento de 0,19% para 0,22%) e comunicação (recuo de 0,02% para alta de 0,08%) registraram variações mais altas, influenciados especialmente por itens como roupas (queda de 0,44% para alta de 1,82%), passagem aérea (queda de 20,03% para recuo de 7,57%), medicamentos em geral (alta de 1,31% para 4,37%), tarifa de ônibus urbano (queda de 0,33% para alta de 0,58%) e pacotes de telefonia fixa e internet (avanço de 0,34% para 0,69%), respectivamente.
Construção
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) também desacelerou, de 0,69% para 0,27%. 
O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços saiu de alta de 0,92% para 0,55%, e o que representa o custo 
da mão de obra variou apenas 0,02% na primeira prévia de maio. 
No mês anterior, este índice subiu 0,48%.